Governador em exercício do Rio se encontra com presidente Bolsonaro para discutir recuperação econômica do Estado

Compartilhe
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

O governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, acompanhado do secretário-chefe da Casa Civil, Nicola Miccione, esteve em reunião, na tarde desta quarta-feira (18/11), em Brasília, com o presidente da República, Jair Bolsonaro, e com o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos. Os principais assuntos foram a renovação do Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e os projetos que podem alavancar o crescimento econômico do estado.

– O Rio de Janeiro trabalha hoje em duas frentes: o regime que está em vigor e o proposto por meio do PLP 101/20. O texto é a salvação de um país inteiro, atingindo não somente os estados em situação difícil. O presidente se mostrou bem sensível ao tema – disse o governador em exercício.

Entre os demais projetos discutidos na reunião, estão a continuação da construção do Arco Metropolitano, as duplicações da Serra das Araras e da Rodovia BR-040 (Rio – Belo Horizonte) e a ampliação da RJ-118 até o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e o Porto do Açu.

– São obras estruturantes para o Rio de Janeiro. A meta é que o estado seja um hub logístico. Apresentamos ao presidente as nossas propostas para que possamos caminhar com as próprias pernas e tirar a dependência do petróleo. Temos buscado abrir o Rio de Janeiro para novas perspectivas – complementou Cláudio Castro.

O governador em exercício ressaltou ainda a necessidade de manter o presidente da República informado sobre os assuntos discutidos com os ministros:

– Mais uma vez pedi ao presidente que nos ajude com essas pautas. Os projetos estão com o ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e com o ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, e são fundamentais para o desenvolvimento econômico e a geração de empregos no Rio de Janeiro. É importante para o presidente saber o que estamos dialogando, pois ele tem a palavra final.