Deputada Rosane Felix repudia desenho com ideologia de gênero e linguagem neutra

Compartilhe
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Presidente da Comissão dos Assuntos da Criança, do Adolescente e do Idoso na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Rosane Felix fez um alerta aos pais sobre o conteúdo que crianças estão assistindo na tv e internet. A deputada repudia a exibição de um desenho animado com adoção de linguagem neutra e ideologia de gênero para crianças em idade pré-escolar. O filme está disponível no catálogo da Netflix.
Ridley Jones – a Guardiã do Museu tem um personagem não binário (o gênero não é feminino, nem masculino), e uma família de múmias com dois pais.
“Mais uma vez tentam, de forma sutil, ensinar a ideologia de gênero para as nossas crianças. Se já não bastasse as tentativas de colocar o tema em sala de aula, eles apelam para os desenhos e filmes infantis”, reclama Rosane Felix.
Termos neutros como “fofine” (em vez de “fofinho” ou “fofinha”), “amigues” (em vez de “amigos” ou “amigas”) e “todes” (em vez de “todos” ou “todas”) são recorrentes no desenho animado.
“A criança ainda não tem a maturidade e o senso crítico necessário para diferenciar ficção e realidade. Trazer estes temas para uma obra infantil é um absurdo. Deixem as nossas crianças em paz, respeitem a inocência delas!”, clama a deputada.
O desenho se encontra no top 10 de conteúdos infantis mais assistidos no momento.
“Enquanto eu estiver na política, lutarei em defesa da família e a favor da inocência de nossas crianças”, conclui Rosane Felix.