A Prefeitura de Itaperuna, através da Secretaria Municipal de Saúde, via Coordenação de Vigilância Ambiental em Saúde (CVAS), em uma ação conjunta com técnicos do Setor de Zoonosses da Secretaria de Estado de Saúde (SES-RJ), realizaram nesta semana ação de inspeção e coleta de amostras de carrapatos, nas localidades próximas ao distrito de Comendador Venâncio e no Bairro Surubi. Esta atuação é uma continuidade das ações sanitárias, voltadas ao combate e controle de ratos e carrapatos no município, através do monitoramento de roedores nas localidades de maior incidência.

Na oportunidade, ainda foi realizado levantamento acarológico, onde se faz a captura de carrapatos, usando um tecido branco, que quando é passado na vegetação rasteira da área da ocorrência, prende as larvas (micuim) com intuito de analisá-los, posteriormente em laboratório, na tentativa de detectar se estão infectados com a bactéria Rickettsia rickettsii, que causa a doença conhecida como febre maculosa.

Segundo Adriano Rodrigues de Azevedo, coordenador da CVAS, “a Vigilância Ambiental tem direcionado os trabalhos dos ACE no sentido de eliminar ou ao pelo menos, reduzir a exposição de pessoas às doenças zoonóticas, transmitidas por ratos ou carrapatos, como a leptospirose e a febre maculosa. Temos um trabalho efetivo, para que não haja a perda de controle das zoonoses. Por isso, essas estratégias de capturas são importantes, e precisamos realizá-las de tempo em tempo”, explica Adriano.

Marcelo Ferreira, secretário Municipal de Saúde, ratificou o alinhamento das vigilâncias Epidemiológica e Sanitária. “Dessa forma, mantemos constantemente as supervisões, além das aplicações de medidas preventivas e principalmente as orientações de Educação em Saúde, sobre o contágio e sintomas dessas doenças. As recomendações do prefeito Alfredão são para ficarmos atentos e não medir esforços, quando estivermos lidando com essas doenças, principalmente as zoonoses, como dengue, zika, chikungunya, leptospirose e febre maculosa, que tanto interferem na saúde da população”, finaliza o secretário.

LEPTOSPIROSE – Doença bacteriana, transmitida pela urina infectada dos ratos e outros animais. Contraída por meio do contato com água, solo ou alimentos contaminados.

ALGUNS SINTOMAS
Febre alta, dor de cabeça, sangramento, dor muscular, calafrios, olhos vermelhos e vômitos. Sem tratamento, a leptospirose pode causar danos renais e hepáticos e até mesmo a morte. Se não diagnosticada e tratada a tempo, pode ser fatal.

PREVENÇÃO E CUIDADOS
Evitar o contato com água ou lama que possam estar contaminados pela urina de rato. Pessoas que trabalham na limpeza de lama, entulhos e desentupimento de esgoto devem usar botas e luvas de borracha. Medidas ligadas ao meio ambiente, tais como o controle de roedores através de raticidas, acondicionamento correto do lixo em sacos fechados e local seguro, até o descarte na coleta, tampa em bueiros e caixas de esgotos, limpeza nas habitações humanas, também ajudam na prevenção.

FEBRE MACULOSA – A febre maculosa é causada pela bactéria Rickettsia rickettsii transmitida pela picada do carrapato infectado.

SINTOMAS E SINAIS
Os sintomas mais comuns incluem febre, dor de cabeça e dores musculares. Pode haver erupções, geralmente com pele escura ou crosta no local da picada de carrapato. Se não diagnosticada e tratada a tempo, pode ser fatal.

Essa doença é mais comum em pessoas que vivem em zonas rurais, sendo que ela também pode afetar locais que contém infestação de carrapatos, sendo que nem todos insetos possuem a bactéria que causa a doença. Hospedeiros podem ser os animais silvestres (capivaras, gambás, pequenos roedores, aves, répteis) e o carrapato.

Para outras informações, solicitação de atendimento específico, dentre outras questões relacionadas ao setor, dirija-se à Vigilância Ambiental em Saúde (Casa Verde), situada na Rua Júlio César, 99, Centro (em cima da Farmacinha do SUS).

O e-mail do setor – cvasitaperuna@gmail.com – é outra forma de contato.

Você ainda pode se dirigir à UBS (Unidade Básica de Saúde) mais próxima de sua residência e relatar algum problema ao Agente Comunitário de Saúde (ACS), que ele passará a informação à Coordenação da Vigilância Ambiental em Saúde.

DECOM – Itaperuna