Empresa de GO assumirá laticínio de Itaperuna que decretou falência

Compartilhe
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

A Laticínios Marília, com sede em Itaperuna, teve seu plano de recuperação judicial aprovado no início do mês. A decisão é do juiz Jose Roberto Pivanti, titular da 1º Vara de Itaperuna, do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

A empresa pediu proteção à Justiça em dezembro de 2017, argumentando dificuldade financeira devido à recessão no país de 2014 a 2016, somando R$ 40 milhões em dívidas.

A Italac, companhia goiana também de laticínios, fechou o arrendamento das unidades produtivas da Marília em Itaperuna, o que vai permitir pagar credores e recontratar os antigos empregados da região, diz Juliana Bumachar, sócia do Bumachar Advogados e responsável pela recuperação judicial:

— Houve interessados em comprar a empresa, mas isso não foi adiante. A Marília parou em 2019 e chegamos a confessar falência. O juízo foi extremamente correto no caso, e a empresa era de fundamental importância para Itaperuna. Houve então ofertas de Quatá e Italac, que saiu vencedora.

Criada em 1970 em Carangola (MG), a Marília chegou a 2015 com unidades produtivas na cidade mineira e em Itaperuna, que é a sede, 324 colaboradores e processando 80 mil litros de leite por dia, diz o processo. Em 2017, eram 185 funcionários.

— Haverá uma manutenção para reiniciar as atividades em Itaperuna. O contrato com a Italac é de 15 anos, com opção de compra — conta Juliana.

As instalações de Carangola não integram o acordo com a Italac, mas estão contempladas pelo plano de recuperação.

 

Fonte: O Globo